os fiscais do prato e de corpo

Você é tão bonita, não pensa em emagrecer?

Hummmm, tá de dieta... (sorrisinho)

Deu uma engordadinha, né?

Está grávida?

Resolveu se cuidar, que bom!

Como tá a dieta?

Tá firme na dieta, hein! Tô gostando de ver!

Você não tava de dieta?

Ó, a alimentação, fulana... tem que cuidar.

Não falo por estética, falo por saúde.

Essas frases, infelizmente, são comuns.

Podem passar despercebido para algumas pessoas.

Mas quem mais ouve esse tipo de discurso são pessoas que querem emagrecer, que já conseguiram (porque as primeiras dietas sempre dão resultados fáceis e rápidos, mas nunca definitivos) e certamente tem conflitos com o corpo e a comida.

aquelas que se sentem fiscalizadas

Ao contrário do que dizem por aí, que para emagrecer "é só querer", "fazer o que tem que ser feito", que quem não emagrece "deveria tomar vergonha na cara e fazer o que tem que ser feito", engordar DÓI, machuca, causa um sofrimento emocional até difícil de descrever. E, por ser incompreendido (por causa dessas crenças de que emagrecer é fácil), a maioria das mulheres se cala e esconde a frustração, a tristeza, a vergonha. E esconder é um sofrimento a mais.

Este texto é uma tentativa de dar voz para essa dor.

Falar sobre o assunto é importante não só para ajudar quem não consegue exteriorizar o que sente, quanto para conscientizar as pessoas próximas sobre o quanto esses comentários podem ser agressivos e danosos

Por isso, baseando-me em experiências próprias, conversas com minhas alunas e seguidoras, reuni algumas coisas que gostaríamos que você soubesse:

1. ninguém é gordo porque quer

Na sociedade que a gente vive, gordofóbica e lipofóbica, ninguém escolhe ser gordo, ninguém quer engordar.

Pelo contrário. A maioria das mulheres está insatisfeita com o próprio corpo e obsessivamente tentando emagrecer. Não é estranho tanta gente querendo emagrecer há tanto tempo e não tendo resultados definitivos? Será que o problema são as pessoas? Estamos vivendo uma enorme epidemia de falta de vontade seletiva (falta apenas no quesito alimentação e atividade física) ou os métodos - DIETAS RESTRITIVAS - é que não são eficazes? 

Eu já respondi isso nesse vídeo aqui.

2. não precisa comentar

Acredite, a pessoa que engordou ou que não tem "o corpo perfeito" sabe disso. Ninguém precisa falar, lembrar, informar. MESMO. Aliás, ela até gostaria de pensar e se importar menos com isso. Não é fácil saber disso e não conseguir mudar definitivamente, muito menos receber comentários sobre algo que é tão delicado.

Mulheres que vivem no efeito sanfona vivem quase numa realidade paralela: a mentalidade de dietas. Elas tem vários números de manequim no guarda-roupa, tem medo de comer e se descontrolar, passam por vários conflitos que levam à fome emocional, sabem racionalmente o que tem que ser feito e se não estão mais magras é porque é bem mais complexo do que "só querer"Não é fácil viver esse conflito.

Não é fácil se sentir menos bonita (muitas vezes gorda e feia), achar que vai ser menos amada, considerada menos competente e admirada por causa do corpo. Querer mudar, não conseguir e se sentir um outdoor ambulante do próprio fracasso.

Não é fácil.

E quando alguém vem com um "alerta", um comentário, opinião, mesmo que com A Melhor das Intenções, com toda preocupação com a saúde e o bem-estar... Mesmo que seja a pessoa que mais nos ama no planeta. Não, ser lembrada que precisa emagrecer é sempre desagradável. Não seja essa pessoa.

3. não existe peso ideal

Tá, respira.

Imagino que sua cabeça já esteja a mil com todos os argumentos, reportagens, profissionais que você já ouviu falando sobre IMC, peso certo pra cada altura e outras definições de saúde baseadas apenas em números.

Só me ouve (lê) aqui um pouco rapidinho.

O número pode até ser um parâmetro. Mas um e só um deles. É preciso considerar também biotipo, genética, cultura familiar, preferências, rotina e muitas outras variáveis.

Do mesmo jeito que existe uma diversidade enorme na fauna e na flora, entre corpos humanos também. E é até crueldade querer padronizar um ser vivo.

É como se tivéssemos crescido acreditando que todas as flores vermelhas e amarelas fossem feias.
Que só flores roxas são bonitas.

E além disso, flor bonita não pode ser flor grande. Tem que ser pequena e delicada.

Se as flores tivessem raciocínio e sentimento, teriam que fazer o que? Passar a vida tentando ser roxa e pequena? 

4. não é "só querer"

Sim, todas as dietas funcionam das primeiras vezes e por isso, fica a lenda de que tem que funcionar  pra sempre e pra todo mundo. 

Diferente do que muita gente pensa, nosso peso não é fixo, único, imutável e varia de acordo com muitos fatores: genética, emoções, hormônios, gestação, carga horária e disponibilidade de tempo, menopausa, stress, frequência e nível de atividade física, medicamentos, clima, retenção de líquido, taxa metabólica, idade, doenças, o que aprendemos na infância, nossas preferências, nossa rotina… tudo isso se combina e influencia de alguma forma.

Como dizer que é possível controlar tudo isso? 

A indústria do emagrecimento faz as pessoas acreditarem que é só "escolher" o peso e nossas medidas e “fazer o que tem que ser feito” para chegar lá como se fosse só uma questão de ingerir alimentos certos e se exercitar com regularidade.

Mas e todos os fatores acima? E toda subjetividade de cada pessoa? Outras prioridades além de ser magra? E o equilíbrio emocional e saúde mental? Essas coisas não se resolvem apenas “cortando carboidratos”.

As promessas do mercado do emagrecimento e a cultura da magreza fazem as pessoas desconsiderarem toda a biologia e complexidade humanas.

Existe em cada um de nós uma individualidade fisiológica que não tá nem aí para padrões, blogueiras ou capas de revista. Nosso corpo quer mais é funcionar do jeitinho que ele foi programado nos manter saudáveis.

Ficar dizendo que ‘é só querer” é o jeito mais cruel de colocar uma pessoa em guerra contra sua própria biologia. E não funciona.

Recomendo muito que você assista esse vídeo aqui 

Muito do que se acredita sobre emagrecimento foi manipulado pela Indústria da Beleza e das Dietas.
Leia também: As 10 Maiores Mentiras sobre emagrecer

5. aparência não determina valor

Muita gente julga a competência e o caráter de uma pessoa com base na aparência dela. 

Tira conclusões sobre os hábitos e comportamento. 

Se é magro, é porque tem foco, é bem-sucedida, é mais bonita, é mais capa.

Se engorda, é porque come besteiras e não tem força de vontade.

No entanto, se uma pessoa não é magra muitas coisas podem estar acontecendo - como estou falando desde o começo do texto - e não quer dizer apenas que:

Muitas mulheres que não conseguem emagrecer definitivamente são mulheres incríveis, competentes, inteligentes, sensíveis, lindas e tem muitas outras características além das físicas.

Valorizar o ser humano completo que ela é funciona demais para aumentar a autoestima e diminuir a fome emocional.

A longo prazo, funciona bem mais do que cortar carboidratos.

todo meu carinho e reconhecimento pra quem leu até aqui

Você, mulher que estiver lendo este texto, espero que se sinta compreendida e abraçada.

Você, mãe, pai, marido, namorado, amigo de alguém que gostaria de ser mais magra, não sei como você chegou até aqui, mas você é uma pessoa especial e tem todo meu reconhecimento. Espero que esse texto te toque de alguma forma. Se alguém te encaminhou esse texto, acredite... não foi fácil pra essa pessoa. Leia, reflita, seja carinhoso. Se você não concordar, tudo bem. Mas espero que o texto te ajude a pensar.

tá, mas e agora?

O próximo passo é caminhar para uma nova relação com o corpo e a comida.

Workshop Online sobre a sensação de ser viciada em comida

Como deixar de se sentir viciada em comida, ter mais autocontrole
e sair do ciclo da compulsão alimentar.

curtiu?

comenta! compartilha! 🙂

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *