a grande salada emocional

Não sei você, mas eu tive várias fases nessa quarentena: muito medo, tédio, raiva, "vou ver o lado bom", raiva de novo, frustração, "pelo menos estamos saudáveis", "sou privilegiada", "que merda", um tanto de tristeza, muitos silêncios. Recentemente, estou meio indiferente. Parei de pensar.

Mas ontem estava conversando com uma amiga sobre a quarentena e seus desdobramentos emocionais. 

Pensando nos detalhes mesmo. Nas crianças em casa, na pressão, no confinamento, nas despedidas que não foram possíveis, os velórios que não aconteceram, na ansiedade de cada decreto abre/fecha comércio, na saudade de ficar no sol sem medo, nas injustiças, nas notícias, na convivência, no aumento do número de divórcios e violência doméstica e TAAAAANTAS (tantas, tantas!) outras coisas. 

engordei na quarentena, e agora?

No meio dessas taaaaantas coisas, muita gente tem engordado e, na sociedade que a gente vive, engordar é um problemão. Um problemão que fica pior ainda com toda essa propaganda da cultura de dietas de que dá pra "aproveitar" a quarentena pra emagrecer.

Daí temos uma série de consequências:
1. a culpa por não ter emagrecido;
2. a tristeza por ter engordado;
3. a vergonha por não conseguir mudar nossa relação com o corpo e a comida;

Prato cheio pra exageros ou episódios de compulsão alimentar pra conseguir engolir essas emoções.

No meio dessas tantas coisas difíceis de lidar, o pensamento de muitas pessoas têm sido:

"DEPOIS DA QUARENTENA, EU VEJO"

Eu acho uma decisão sensata.

Uma pandemia mundial é um ótimo momento para definir prioridades, né [risos nervosos].

O problema é que, na prática, isso não está acontecendo de verdade. 

Muitas mulheres não estão conseguindo encontrar um equilíbrio e se veem em um impasse: nem conseguem controlar a alimentação, nem conseguem ter paz na relação com o corpo e a comida. É como se estivessem presas em um labirinto porque não encontram uma solução rápida. 

Claro que idealmente, a saída perfeita desse labirinto é emagrecer, mas esse caminho não está sendo possível e, todos os dias (às vezes o dia todo) elas pensam no emagrecimento, mas sim-ples-men-te não conseguem, se desesperam, se sentem perdidas.

E, newsflash: pensar e ficar o tempo todo querendo emagrecer, não emagrece.

o jogo da comida versão quarentena

Mas voltando para o impasse do labirinto.

O pensamento "depois da quarentena eu vejo" é uma forma de lidar com a dificuldade pra emagrecer somada à toda a sobrecarga da pandemia. É tipo uma saída de emergência. 

Quando a frustração aumenta, pensamos: "agora não dou conta, depois eu cuido disso". Masssss... continuamos dormindo e acordando criticando nossa barriga, gordura, celulite, estrias, aparência. É uma guerra interna sem fim: uma parte de nós decide não fazer nada agora, a outra passa horas e/ou dias se cobrando pra emagrecer.

E não é uma cobrança qualquer. 

É uma tortura mental.

Muitas se pesam e usam a balança pra se machucar como se o número na balança fosse fazê-las "acordar". Isso não acontece, é só mais uma busca frustrada no labirinto, a vontade de comer aumenta e engordam um pouco mais. Não porque estão com vontade real de comer, mas só pra se machucar (inconscientemente) mesmo.

Pensar em emagrecer não emagrece.

Como eu já falei no texto Emagreça ou viva (morra?) tentando, parece que quanto mais a gente quer emagrecer, mais a gente engorda. A cobrança gera ansiedade e buscamos a comida pra aliviar.

odiar o próprio corpo

Importante lembrar que esse labirinto já existe faz tempo na vida da maioria das mulheres (que se sentem presas nele e se identificam como que estou escrevendo), o confinamento só deixou mais evidente e mais difícil de suportar. 

É um looping de constantemente se despedir de comida jurando que é a última vez que comemos tal coisa, deslizes, recomeços e todas as emoções que acompanham essa montanha russa.

O que eu chamo de labirinto é, na verdade um ciclo que funciona mais ou menos assim:

O documentário Embrace diz que 91% das mulheres odeiam o próprio corpo.

Por causa de padrões idealizados de beleza, centenas de milhares de mulheres se sentem gordas e feias. Esse ódio é explorado pela indústria da beleza (cosméticos, procedimentos e cirurgias estéticas), pelo mundo da moda, pela indústria de medicamentos e suplementos pra emagrecer e, claro, pela cultura de dietas.

Então, por mais que pareça algo fácil, que está logo ali, que dá pra aproveitar a quarentena, que é "só" cortar carboidratos e se organizar, esse ciclo é muito (muito mesmo!) mais complexo que isso porque estamos falando dO Jogo da Comida e de fome emocional. Nessa realidade de isolamento social, nossas emoções estão muito mais intensas e não basta cuidar da aparência e do bem estar físico, precisamos nos preocupar muito com nossa saúde mental.

o que fazer com a pressa pra emagrecer

Eu não duvido que ter engordado, não estar conseguindo emagrecer ou não gostar do seu corpo por qualquer motivo te incomode muuuuito. E seu corpo é sua relação mais íntima: você acorda e dorme nele/com ele. Não dá pra desligar o corpo. Deixar ele em casa. Esquecer dele. E quando nosso corpo nos incomoda, o incômodo gera essa pressa pra emagrecer-rápido-urgente-pra-ontem-a-qualquer-custo

Eu juro que entendo e estou do seu lado. Mas vamos ponderar juntas.

Não é legal ler issoNós queremos mesmo é entender por que algumas mulheres conseguem.

Queremos uma milagre, queremos que algo aconteça pra cair nossa ficha.

E, dependendo dos perfis que você segue no Instagram por exemplo, você deve ver exemplos de #antesedepois com depoimentos de foco e superação. Esses casos existem sim, eu sei. O problema é que contássemos os casos de mulheres que engordaram porque enfrentam grandes dificuldades, contássemos os bastidores mesmo e se fôssemos fiéis ao número de mulheres que emagreceram e o número de mulheres que engordaram, vemos que conseguir emagrecer, principalmente na quarentena, é a exceção.

como se cuidar na quarentena

1. Fortaleça sua imunidade - e restringir alimentos não é a melhor forma de fazer isso. Pense em comer melhor, cozinhe, se cuide, pense na sua agilidade, bem estar, disposição e permita que o emagrecimento seja consequência, não o principal pensamento da sua mente do começo ao fim do dia (eu sei que é difícil mudar esse padrão e recomendo que você assista a Minissérie Gratuita dO Jogo da Comida clicando aqui).

2. Invista em autoaceitação e autoconhecimento - escolha passar mais tempo investigando o que está acontecendo no seu mundo interno agora durante a quarentena do que brigando com carboidrato. Se você investisse metade do tempo que passa pensando em comida, em atividades de autocuidado, sua vida mudaria drasticamente. Começar pela autoaceitação é uma ótima ideia e eu já quero lembrar que autoaceitação não é conformismo, não é "desistir de você e ficar gorda".  Eu dei uma aula sobre isso aqui.

3. Foque em ser saudável - e eu estou falando em ser saudável de verdade. Física, mas também mental, espiritual e emocionalmente. Dietas restritivas nos deixam mais deprimidas, ansiosas e irritadas (e isso é o que a gente menos precisa num momento de instabilidade e isolamento social). Pensar "preciso comer menos" não é ser saudável. É ser abusiva com você mesma. Pense nisso.

4. Vai passar - tem hora que é um saco ouvir isso. Como te falei lá no começo do texto, tem momentos que eu simplesmente odeio essa quarentena e parece que ela não vai acabar nunca. Mas vai. E nós não sabemos como vai ser, só sabemos que provavelmente muitas coisas vão mudar desde a economia até nosso estilo de vida. Já serão muitas coisas pra absorver e ainda ter um projeto de emagrecimento não é uma boa ideia. Eu recomendo muito que você comece absorvendo desde já o que eu compartilho no Kit Gratuito Engordei e Agora?.  

5. Você IMPORTA independente do número da balança - um passo essencial pra diminuir a ansiedade que nos faz comer é parar de se sentir um fracasso por não conseguir emagrecer. Isso nos paralisa, nos faz comer por castigo e punição. Isso é seríssimo, eu falo sobre isso no Mapa da Fome Emocional e é muito mais eficaz do que ficar a semana toda sem comer pão pra acabar comendo uma pizza inteira sozinha no final de semana (oi, Jogo da Comida).

o mais importante

Meu maior intuito com esse texto é te pedir pra sair do impasse. Esse é um dos lugares mais difíceis e cruéis que podemos nos colocar.

Se você já vem há meses tentando emagrecer e, talvez, só manteve ou até engordou, que este texto seja um convite pra você refletir e tentar algo novo.

Pense em como a preocupação com seu peso está afetando tooooooda sua vida e repense o que é mais importante para este momento que é tão inédito, confuso e incerto pra toda nossa geração. Está tudo bem reorganizar prioridades agora e redefinir depois de novo.

Como eu sempre digo, se dietas funcionassem, seriam feitas uma só vez na vida.

E seguimos, um dia de cada vez.

curtiu?

comenta! compartilha! 🙂

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *