O mito de que se pesar ajuda a emagrecer.

Se pesar todos os dias ajuda a emagrecer?
Qual é a melhor hora pra subir na balança?
É errado se pesar todos os dias?

Buscamos o Google com todas essas dúvidas, mas a verdade é que temos uma relação de amor, ódio, dependência e cumplicidade com a balança. Muitas vezes, agimos como se a balança pudesse nos impedir de engordar ou tivesse o poder de aliviar a culpa pelo que comemosMas a verdade é que se subir na balança emagrecesse, já estaríamos magras e não teríamos esse tipo de dúvida porque o que buscamos de verdade não é esse pequeno objeto de metal que vai nos dizer.

"se subir na balança emagrecesse, já estaríamos magras"

No começo, a balança até auxiliava nas escolhas alimentares e no controle do peso, ela nos dava um parâmetro, uma direção em relação ao nosso peso, nos ajudava a acompanhar as mudanças no corpo durante o processo de emagrecimento e era até um incentivo para não desistirmos.

Víamos o progresso, comemorávamos os gramas e quilos eliminados, o emagrecimento era uma jornada e o processo de se pesar com frequência era agradáveis momentos em que sentíamos orgulho de nós mesmas, dos nossos resultados e de que nossos esforços estavam valendo a pena. Motivação total, uma maravilha! Descíamos da balança com um sorriso no rosto imaginando as roupas novas, a vida nova e todas aquelas fantasias gostosas do quando-eu-emagrecer.

Se pesar era nosso momentinho sagrado, pessoal, íntimo, de cumplicidade com a balança, como se ouvíssemos:"Isso aí, vamos lá, boa garota! Continue assim! Tá ficando linda!". A confirmação de que todo nosso esforço e dedicação estavam valendo a pena.

Subir na balança era como subir em um pódio.

A verdade sobre emagrecer e o vício em se pesar

Acontece que depois da milésima dieta, depois de emagrecer, se sentir linda, feliz e audaciosa, receber elogios, ficar com a autoestima lá em cima, sentir que agora você vai ser feliz-para-sempre, mas não conseguir manter o peso perdido, voltar a engordar (parece até um pesadelo), recomeçar, se despedir de comida prometendo que só vai voltar a comer quando emagrecer, buscar força-de-vontade-foco-fé sei-lá-da-onde, levar marmita pra lá e pra cá, passar vontade, ter episódios de compulsão alimentar, emagrecer de novo, engordar de novo, emagrecer, engordar, emagrecer, engordar (até perder as contas), se sentir um fracasso, tomar remédio, tentar tudo que te disseram, perder e recuperar a esperança muitas vezes, achar que o problema é você, ter vontade de se esconder, não ter vontade de sair, ficar mal-humorada, comer escondido, sentir raiva e vergonha do seu corpo, comer com culpa, comer compulsivamente e muitas outras coisas que só você sabe, não existia mais pódio. Não existia mais a balança dizendo "vai, garota"

Pelo contrário. A balança era testemunha do seu fracasso em emagrecer. Cada vez que você sobe na balança hoje, você quer sentir mesmo que só um pouquinho daquela sensação de vitória. Mesmo que por míseros gramas. 

Nossa relação com a balança não tem mais nada a ver com gramas ou quilos. Ela se tornou um jogo emocional. É sobre a saudade do pódio e o desejo profundo de voltar pra lá. É sobre não conseguir emagrecer e se sentir um fracasso como mulher e como ser humano, é sobre o cansaço de tantas tentativas fracassadas, é sobre esperança, é sobre o sacrifício de cada grama perdido e a dor de cada grama recuperado.

Quando nos pesamos estamos buscando algo. Ouso dizer que não buscamos apenas o emagrecimento. Buscamos algo ainda maior e mais importante: buscamos nós mesmas. Falo para minhas alunas que nesse jogo da comida, da  balança e do emagrecimento, nos perdemos de nós mesmas. Nossas vidas giram em torno de peso e dieta e esquecemos de quem somos.

"ahhh, mas se eu não me pesar, vou engordar"
[quando o número da balança aumenta]

Engordar traz muito, muito, muito sofrimento. Por mais que se trate por aí como "preguiça, desleixo ou falta de força de vontade", a verdade é que engordar só traz medo e dor.

A mentalidade de dietas trouxe a ilusão de que quando o número da balança mostra que engordamos, a dor fosse nos fazer "criar vergonha na cara", "fazer o que tem que ser feito" e "fechar a boca". Grande bobagem. É óbvio que não é isso que acontece. Pelo contrário. Essa dor se transforma em ansiedade, frustração, raiva e buscamos a comida - geralmente todas aquelas proibidas pelas dietas e planos de reeducação alimentar da vida.

Como eu disse no começo do texto, pode ser que lá nas primeiras dietas a balança te ajudava a emagrecer. Ok. Mas seja super honesta com você mesma: se pesar, atualmente, faz você se sentir bem, comer menos e te ajuda a controlar seu peso?

terapia para mulheres viciadas em se pesar

Estamos tão desconectadas dos nossos corpos, tão perdidas com tantas informações nutricionais e tão cansadas com tantas regras de dieta e reeducação alimentar que não conseguimos cumprir, que nossa alimentação e nossa relação com nosso corpo está muito confusa, bagunçada e, em alguns casos, quase desesperadora. 

Como poucas pessoas conhecem meu tipo de trabalho e não veem saída. acabam buscando brechas para "poder comer" e a balança acaba ganhando o papel de nos dar permissão ou interdição para comer. Mas como um pedaço de metal vai saber mais sobre nós do que nós mesmas? COMO? Impossível.

Enquanto a maioria das mulheres ainda acha que se pesar as impede de engordar, muitas mulheres encontraram um jeito muito mais prático e inteligente de controlar o peso: a alimentação consciente, inteligência corporal e a educação emocional. Ou seja, acabar com o efeito sanfona e a compulsão alimentar, respeitar o próprio corpo e conhecer as emoções que nos levam a comer (fome emocional). Todas as atitudes focadas na individualidade, preferência e histórico de cada uma. Não em regras gerais e padronizadas.

emagrecer é difícil e se pesar não é a solução

A balança acaba virando um pequeno altar para onde corremos buscando respostas e se pesar com frequência parece um ritual, uma oração silenciosa, um pedido de socorro de quem quer muito emagrecer, mas oscila entre acreditar e pensar em desistir (mas desistir é impossível, claro).

E não é um ritual qualquer. É um ritual pessoal, meio secreto, com umas regras de quem não entende como funciona o emagrecimento de verdade, tipo assim:

Vou me pesava na segunda porque com certeza engordei e é a confirmação de que "preciso tomar vergonha na cara e começar a semana do jeito certo".

Na sexta, depois da semana de força, fé e foco total, me peso em jejum, logo depois do xixi, sem roupa porque assim terei emagrecido e vou poder comer no final de semana.

Claro que existem variações desses pensamentos aí, mas no jogo da comida é assim: existem regras difíceis demais para serem mantidas e nós perdemos um tempão, muita energia e dinheiro tentando segui-las ou dizendo "foda-se, eu mereço, só hoje, amanhã, eu recomeço".

Mas é só tragédia? Não. Tem dias que o ponteiro baixa, a alegria vem e a esperança retorna. Paradoxalmente, a comida também aparece. Desta vez, para comemorar. Para deixar o momento completo, dizem algumas das minhas alunas.

Damos a um objeto de metal a autoridade que pertence à sabedoria do nosso corpo. Enquanto não nos apropriarmos da nossa autonomia e não entendermos como nosso próprio corpo funciona, dieta nenhuma vai funcionar. Qualquer reeducação alimentar vai ser uma repetição de regras sem sentido, sem propósito pessoal e em contagem regressiva para se tornar um episódio de descontrole ou de compulsão alimentar.

Qual é a solução então? Passo a passo para se libertar do vício em se pesar:

1. fazer a terapia mágica detox da balança sem engordar.

2. parar pra pensar que se dietas funcionassem, seriam feitas uma só vez na vida e não 193842034832047290 vezes e que talvez hoje seu peso não fosse maior do que quando você fez a primeira dieta.

3. fazer um detox de dietas, tirar a comida do centro da vida e ocupar este lugar.

4. legalizar a comida - entender que a comida vai existir pra sempre e não dá pra passar a vida fugindo de comida ou em estado de vigilância.

5. habitar seu corpo - entender que ele é seu lugar no mundo e que é insuportável viver num lugar que você odeia. Além disso, assumir que o corpo é seu (e só seu!), ninguém pode cuidar dele por você e obviamente fazer dietas não está funcionando, não é?!

6. acabar com o efeito sanfona - uma pessoa que não consegue nem manter o peso estável nunca vai manter de vez um peso baixo, concorda?!

7. acabar com a compulsão alimentar - mesma coisa do efeito sanfona. primeiro a gente acaba com os rompantes de descontrole, estabiliza e depois vai perdendo peso de forma natural e sem grandes sacrifícios.

8. conhecer a fome emocional - as emoções são infinitas e vão existir para sempre. Sem conhecê-las, acabamos tentando anestesiá-las com comida. Como emagrecer definitivamente sem lidar a fome emocional?

Todos os passos acima trabalham em questões profundas da nossa relação com o corpo e a comida. Estas sim vão determinar se emagrecemos ou engordamos.

A balança mede e mostra o resultado de tudo isso. Se focamos apenas em gramas e quilos, e ignoramos todo o processo, vamos perpetuar o ciclo de dietas e toda a frustração, sensação de fracasso e o eterno engorda-emagrece.

Não é se pesar que ajuda a emagrecer. É conhecer as emoções, mudar a mentalidade e desenvolver inteligência corporal.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *