Eu costumo dizer que a vida é muito mais do que conseguimos ver.

Nossa mente está sempre nos contando histórias e acabamos tendo ainda menos clareza de como as coisas realmente são.

Quando nos vemos presas num ciclo alimentar nocivo, a tendência é acharmos que existe alguma coisa errada conosco, que temos células malucas que só pensam em comida. E isso não é verdade, claro.

Não tem nada de errado com você.

A verdade é que muitas vezes entramos em padrões antigos ou buracos como o pequeno conto abaixo da Portia Nelson. Nele, a autora demonstra a importância de estarmos atentas e como expandimos nossa consciência quando começamos a fazer pequenas mudanças.

Capítulo 1

Estou andando pela rua. Tem um buraco grande na calçada. Eu caio nele. Eu estou perdida… Não tenho esperanças. Não é minha culpa. Demora uma eternidade pra encontrar a saída.

Capítulo 2

Estou andando na mesma rua. Tem um buraco grande na calçada. Eu finjo que não o vejo. Eu caio nele de novo. Não acredito que estou no mesmo lugar. Mas não é minha culpa. De novo demora um tempão pra encontrar a saída.

Capítulo 3

Estou andando na mesma rua. Tem um buraco grande na calçada. Eu o vejo lá. Eu ainda caio nele… é um hábito… mas, meu olhos estão abertos. Eu sei onde estou. É minha culpa. Eu saio imediatamente.

Capítulo 4

Estou andando na mesma rua. Tem um buraco grande na calçada. Eu contorno o buraco.

Capítulo 5

Eu escolho andar por uma rua diferente.

– Portia Nelson

Você não tem que continuar caindo nos mesmos buracos.

Você não tem que cometer os mesmos erros.

Você tem escolha.

Com carinho,

Lígia Fabreti

P.S.1: Para saber mais entre na comunidade Não é dieta, É VIDA e confira o Canal do YouTube.

P.S.2: Se você quer saber como Como Parar de Fazer Dietas e Viver Totalmente Livre da Obsessão por Comida e pelo Pesoclique aqui e cadastre-se para receber um E-book GRATUITO.

Eu costumo dizer que a vida é muito mais do que conseguimos ver.

Nossa mente está sempre nos contando histórias e acabamos tendo ainda menos clareza de como as coisas realmente são.

Quando nos vemos presas num ciclo alimentar nocivo, a tendência é acharmos que existe alguma coisa errada conosco, que temos células malucas que só pensam em comida. E isso não é verdade, claro.

Não tem nada de errado com você.

A verdade é que muitas vezes entramos em padrões antigos ou buracos como o pequeno conto abaixo da Portia Nelson. Nele, a autora demonstra a importância de estarmos atentas e como expandimos nossa consciência quando começamos a fazer pequenas mudanças.

Capítulo 1

Estou andando pela rua. Tem um buraco grande na calçada. Eu caio nele. Eu estou perdida… Não tenho esperanças. Não é minha culpa. Demora uma eternidade pra encontrar a saída.

Capítulo 2

Estou andando na mesma rua. Tem um buraco grande na calçada. Eu finjo que não o vejo. Eu caio nele de novo. Não acredito que estou no mesmo lugar. Mas não é minha culpa. De novo demora um tempão pra encontrar a saída.

Capítulo 3

Estou andando na mesma rua. Tem um buraco grande na calçada. Eu o vejo lá. Eu ainda caio nele… é um hábito… mas, meu olhos estão abertos. Eu sei onde estou. É minha culpa. Eu saio imediatamente.

Capítulo 4

Estou andando na mesma rua. Tem um buraco grande na calçada. Eu contorno o buraco.

Capítulo 5

Eu escolho andar por uma rua diferente.

– Portia Nelson

Você não tem que continuar caindo nos mesmos buracos.

Você não tem que cometer os mesmos erros.

Você tem escolha.

Com carinho,

Lígia Fabreti

P.S.1: Para saber mais entre na comunidade Não é dieta, É VIDA e confira o Canal do YouTube.

P.S.2: Se você quer saber como Como Parar de Fazer Dietas e Viver Totalmente Livre da Obsessão por Comida e pelo Pesoclique aqui e cadastre-se para receber um E-book GRATUITO.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *